Mari Palma sofre com sintomas da covid-19: “Nem cheiro nem gosto nem nada”

Escrito por em 09/04/2020

“Bem ansiosa para voltar”, como diz, Mari Palma completa neste sábado (11) duas semanas de isolamento em casa se recuperando da covid-19. A jornalista teve os primeiros sintomas em 27 de março, foi diagnosticada dois dias depois e afastada, junto com Phelipe Siani, do comando do “Live CNN” na segunda-feira, 30.

“Tive sintomas bem leves. Testei positivo. Tive uma febrinha leve, uma indisposição leve”, contou Mari ao UOL, por telefone. “O que mais me marcou foi a perda de olfato e paladar. Foi muito, muito forte. Nem cheiro nem gosto de nada”.

Se tudo der certo, e o médico autorizar, Mari e Siani voltam ao comando do “CNN Live” na próxima segunda (13). Terão ficado afastados 17 dias.

Quatro pessoas da equipe do programa também foram afastadas, por precaução. Siani não contraiu a doença. Ele e Mari vivem juntos e estão cumprindo quarentena.

“Não estamos isolados um do outro. O médico disse que não precisava. Já estávamos juntos há muito tempo. Continuamos tomando cuidados entre a gente. Usar luva, álcool, essas coisas”, conta a jornalista.

“Minha maior preocupação é com meus pais”, diz. “Estou sem vê-los há um mês. Já tinha me afastado antes de saber que estava com a doença”.

Pouco à vontade de ter virado notícia, Mari diz que está dedicando a quarentena a assistir CNN Brasil e a pensar em como pode melhorar o próprio programa. “A gente está pensando no que vai oferecer quando voltar. O que dá para melhorar. A nossa cabeça não para”.

Uma mudança já está decidida: “A gente está pensando muito em levar notícias um pouco mais reconfortantes para as pessoas. A gente está num momento em que a gente talvez precise de uma energia mais leve, mais tranquila”.

Mari sabe que esta é uma missão complicada. “A gente é jornalista e isso está no nosso DNA. Mas a gente também tem que dar espaço para notícias boas, ou notícias reconfortantes, nesse mundo em que a gente está vivendo hoje. Mas sempre com a nossa cara”.

Diz ela: “A gente é muito acelerada. A gente vai voltar com mais gás. Porque a gente conseguiu assistir como telespectador mesmo os nossos programas para entender o que é legal e o que não é”.

Do ponto de vista pessoal, a quarentena também mexeu com a apresentadora: “Me fez pensar sobre como a gente, às vezes, não dá valor para as coisas simples, né? Ligar uma vitrola e ouvir uma música, ligar para um amigo que você não fala há muito tempo, um café da tarde com os pais…”

Fonte


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]